quarta-feira, dezembro 02, 2009

Hoje

Hoje, e para ser completamente diferente, não há uma catrefada de fotos. E também não há muito que contar, mas apetece-me escrever.

Começo por perguntar se alguém me sabe dizer o que é uma pinocada de peixe?
É que, ía eu no autocarro, quando vejo um anúncio para este prato na montra de um restaurante. E eu, que sou muito inquisidor, tenho andado a matutar nisto o dia todo. Mas tenho cá para mim que pode um qualquer freak show.

De resto, passei pelo dentista para ele me dizer que tenho que ser mesmo operado a um dente incluso que tenho, aqui na entranhas da minha boca...
Eu sei que soa a coisa finíssima, mas acreditem que não é...

Almocei no Colombo, um belo hamburger no H3. É que, graças à minha prima, ando doido com aquilo. Mas vou-me contendo, não se apoquentem!

Querem acreditar que corri que me fartei em Sete Rios?! Tive que atravessar o largo quase todo a correr, saltei por sobre uma poça e dei comigo a imaginar-me na pele do Indiana Jones. Ou da Mission Impossible. Ou de um 007. Mas sem o martini, que eu não bebo...
Tudo isto nos trinta segundos que durou a minha valente corrida. Porque não podia perder o 58!

Vi a senõra presidenta do Chile a passar na sua comitiva*, Avenida da Liberdade acima. Foi giro os polícias fecharem o trânsito e ver como a avenida ficou logo cheia de carros. Carros a apitar, claro, não estivéssemos nós em Portugal. Onde um gajo leva meio segundo a meter o pé no acelerador quando o sinal muda para verde e tem logo um gajo de carabina apontada à cabeça...

Ah, antes disto fui cortar o cabelo. A Leonor era para me ter levado a um sítio, mas não pôde. Vai daí, experimentei um sítio novo na Rua dos Correeiros. E correu tudo muito bem, sim senhor. Um sítio com bom aspecto, em conta e com gente simpática. Como gosto.

E, pronto. Agora sinto-me como um daqueles adolescentes que escreve sobre os seus dias, mas sem fotos, sem erros, sem escrita aXiM ou mm dakela e sem caralhadas a torto e a direito.

*não fosse mamãe lembrar-me de como se dizia isto, e tinha para aqui perspegado um motorcade, que era o que me saía! Isto de ter estado emigrado tem que se lhe diga, pá!

3 comentários:

Filipe M. disse...

Hm :o sinto que devo mudar a minha escrita, sem caralhadas a torto e a direito, sem erros e acho que é só :p

Parece ter sido um dia animado :p

Primeiro, eu não sei o que é uma pinocada de peixe e pelo nome, espero não vir a descobrir o que é. Soa a algo medonho.

Segundo, o h3 parece algo muito interessante, mas nunca me aventurei a experimentar. Será que vale a pena?

Terceiro, enquanto que tu correste para apanhar autocarros, eu corri para fugir de um camião. Escorreguei na lama e fiquei perdido a rir-me agarrado a uma colega.

P.S. - Adoro invadir o teu espaço do facebook. Tem gente viva sempre a comentar, os meus 'friends' estão sempre mortos por lá, até dá pena.

:)

Individual(mente) disse...

Qu'ésse dezer... a caralhada está lá... personificada na própria... caralhada!

Só mesmo por vergonha não perguntei à minha mãe o que era a pinocada de peixe... Ainda corria o risco de a ouvir dizer que sabia o que eram ambos mas nunca os tinha visto juntos... Que tal voltares à cena do crime e indagares? :)

pinguim disse...

Também eu gostava de saber o que é esse petisco; já há as punhetas de bacalhau, agora isto, hummmm, cheira-me que no mar há órgias (como dizia o Big Brother...)