segunda-feira, julho 28, 2008

Nota de redacção - Parte II

Já quando trabalhava na QNE, em Portugal, me fazia confusão que as pessoas pensassem que as escolas fechavam durante o verão. Não havendo aulas, não havia mais nada que fazer. Amigos, lamento informar, mas não é bem assim. Quando os alunos se vão, os profs têm trabalho para fazer, os funcionários também. E no Japão é a mesma coisa. Ou seja, os miúdos não tem aulas (embora, pasmem-se, muitos deles continuem a ir à escola para os clubes!!!), mas há trabalho para fazer. É bem verdade que não estou na escola, mas temos seminários para professores durante o verão. Também é verdade que não é todos os dias, mas nos restantes dias vamos ajudando os novos ALTs* a instalarem-se e tal. Até vos digo que ando mais ocupado no verão do que no resto do ano. Mas não faz mal, não fosse eu da família desta menina:



*Assistant Language Teacher

Nota de redacção

Obrigado, mas acho sinceramente que não estou mais magro... Não é só o algodão que não engana... A balança também não. Nem a roupa que teima em não me acompanhar...


Mas quero acreditar que sim!

domingo, julho 27, 2008

Belo fim de semana

Sábado:

Acordo sempre cedo. Desde há um tempo, deite-me a que hora me deitar, acabo sempre por acordar cedo e não consigo dormir mais. Será a idade? Ou só uma fase?
Bem, o que importa é que neste dia fui almoçar com a Ikuko e o Aki. Trabalhámos os três em Ueno há 2 anos, ele agora está na minha escola e, por acaso, senta-se mesmo à minha frente. Palavra puxa palavra fomos os três almoçar. Eles chegaram 20 minutos atrasados, que ele tinha acabado de acordar!



Claro que nos rimos imenso e falámos muito. O que é sempre bom! Qualquer dia destes vamos saír outra vez!
Do restaurante fomos à Uniqlo ver de um calções que o Tomek tinha comprado e que eu também queria... mas já não havia. E acho que ainda não me recompus!
Foi aí que demos com a Carleen. Como ela estava pela city, depois de dizer matta ne à Ikuko e ao Aki, ainda fui beber um cafézito com ela. Afinal, era a nossa última oportunidade, porque ela está de partida. Da próxima vez que nos vermos, será em New York ou Lisboa... Não é finíssimo!?


Depois da sessão de Starbucks com a Carleen, vim para casa descansar a mente e o espírito. Mas à noite fui até ao PEI, para mais uma das suas festas... Mas confesso que esta não foi lá grande coisa... A música não era das melhores e estava lá muito pouca gente conhecida. Esta é uma época de muitos afezeres.

Domingo:

Às 10 da matina já estava no Donki. Ia para a praia com dois professores com quem trabalho. E um deles trouxe a namorada. O outro bem que a queria trazer, mas não a tem, pelo que não lhe foi possível. O condutor foi o Motoyuki, o outro professor o Takashi e a namorada a Akane.
Parámos para meter gasolina no carro. E logo aí dei com um espectáculo bem japonês... Como foi o dia de abertura, havia gente com bandeiras a anunciar a coisa...


...um boneco do Anpanman...


...e até tivemos direito a prendas. E ainda troquei umas palavras com um rapazito que estava lá a trabalhar, mas que estuda em San José, California. Fino.


O Motoyuki adora wind surf. Vai daí os outros dois foram nessa. Eu ainda me pus em cima da prancha, mas foi só isso. Não tenho nada alma de surfista... Embora tenha uns calções da Billabong... Começo a ficar preocupado!



Mas a primeira aventura do dia até nem foi experimentar o wind surf... Mas sim o belo do banana boat...


Não somos nós, nem fomos puxados por um barco, mas sim por uma moto de água, mas fomos parar dentro de água 3 vezes. Os gajos diziam para irmos mais depressa, eu gritava yukuri (devagar). E a Akane mostrou-se uma mulher japonesa atípica... Sempre a bombar!
Eu e os desportos radicais... enfim...

Foi um belo dia de praia e até já tenho uma bela corzinha que é coisa que me deixa feliz...


Da direita para a esquerda, Takashi, Akane, Angelo e Motoyuki.

A propósito, a fotografia foi tirada por uma amiga do Motoyuki que andava por ali e que estuda medicina. As coisas importantes que eu escrevo neste blog...

Mas bonito foi ver, da estrada, a chuva por sobre Oita, no outro lado da baía. Via-se claramente. E viam-se trovões. Grandes e luminosos! E à medida que nos fomos aproximando da cidade, e que a chuva caía mais grossa e com mais força, os trovões estavam mesmo em frente a nós! Com um barulho ensurdecedor e os raios mesmo ali!

Eles deixaram-me em casa, subiram, adoraram, levaram-me ao Donki para eu ir buscar a minha bicla. E eu agora vou jantar e usufruir do meu bronze made in Japan!

sábado, julho 26, 2008

Contact


E hoje de manhã dei com este exemplo da arte de Hollywood. Já o vi não sei quantas vezes e, mesmo assim, fico sempre lixado quando o Drumlin se afiambra ao projecto de forma despudorada e quando a trucidam na audiência no Capitólio...

Bela surpresa me proporcionou a LaLa TV... Assim se chama o canal onde dei com isto!

E nem é preciso dizer que qualquer filme com a Jodie Foster é bom!

sexta-feira, julho 25, 2008

G'anda susto!


Eu não ia lá, mas se fosse... UI!

Six Feet Under revisited

Acabei de ver o último episódio do Six Feet Under. Já o disse antes e volto a dizê-lo, é uma série absolutamente fenomenal. Infelizmente, não vi todas às séries, mas o final foi clímax atrás de clímax. E, claro, lá veio a lagriminha maluca.


Recomendo vivamente esta série a toda a gente que gosta do que é bom!



E é interessante que estivera a falar no Six Feet umas horas antes de dar na televisão. E nem sabia que era o último episódio. Mas foi um momento que me enriqueceu de alguma forma. E eu gosto desses momentos!

Notícias

Amigos, amigas, pessoas em geral, muito obrigado pelos comentários que deixaram aqui! Eu nem sabia que tinha havido (mais) um terramoto outra vez! Soube-o por vós e só hoje de manhã estive a ler o que aconteceu.Seja como for, foi bem longe daqui, no norte do Japão. Como já o disse, ando sempre alerta com o raio dos tremores... Há já bastante tempo que não há um por aqui, por isso estou com algum receio...

Quanto à chefe totó, fiz o que tinha que fazer. Não tenho medo de represálias, porque creio que isso nem sequer acontecerá. O Japão é um sítio diferente, em que as coisas são feitas de forma diferente e esses sentimentos de vingança que tão bem conhecemos, normalmente não acontecem.
Só vos digo que lhe entreguei a carta, ela leu-a duas vezes. Eu estava sentado à espera dela, não fosse ela querer falar comigo, e à espera da Camille que também andava por ali. Ela não me viu (ou não me quis ver), mas depois, a caminho da máquina fotocopiadora, perguntou-me se eu estava à espera de alguma coisa. Eu disse-lhe que pensava que ela iria querer falar comigo sobre o que eu lhe escrevera. Pedi-lhe desculpa se a tivesse ofendido, mas não era essa a minha intenção, porque eu queria era que ela soubesse como eu me estava sentir. Ela retorquiu que isso é sempre bom. E lá foi à sua vida.
Pode parecer estranho, mas isto é o Japão, onde se evita o confronto e se assimilam as coisas de maneira diferente do que possamos estar habituados.
Sinceramente, não estou zangado, porque não gosto de gastar as minhas energias com isso (deve ser por isso que estou gordo balofo). Mas got it out of my system! E isso é que é importante (e, Faneca, obrigado pelo elogio!).
Acho que a pior coisa que lhe disse foi qualquer coisa como isto: "em dois anos e meio nunca me sentira assim, mas desde que você chegou em Abril já pensei em despedir-me umas quantas vezes. Eu não estou a viver num país estrangeiro, longe de casa, para me sentir oprimido e stressado a toda a hora". Entre outras coisas.

Mas ontem foi um longo e interessante dia! Desde andar a dançar até marcar viagens de avião e fazer brindes! Cá fica a história!


Todos os anos, logo depois do final das aulas, a escola primária de Niagemachi organiza um seminário para os professores primários. Só sobre inglês, o que ensinar, como ensinar, etc... E, claro, nós estamos sempre lá. Este ano estiveram presentes 130 professores. Um recorde absoluto. Mas a coisa correu super bem! Tudo muito fluído, sem problemas, com muita risota e numa atmosfera light (mas Niagemachi é mesmo assim!).


Como também sempre acontece, alguém da câmara municipal está presente na coisa. E é sempre o responsável pelos ALTs, ou seja, a minha famosa chefe! E eu, bitch que sou, lá consegui mexer uns cordelinhos e pôr a mulher a dançar a famosa passarinhos a bailar, mal acabam de nascer...


Embora nós achemos que a solução para os problemas dela seja outro tipo de movimentos envolvendo nudez, lascívia e muito lubrificante, foi uma experiência interessante! E como ela ficou no seminário o dia todo - o nosso anterior chefe ia lá dizer umas palavritas e metia-se na alheta que tinha mais que fazer - dançou muito mais e participou em 3000 coisas!



Um dos pratos fortes foi a música. O que é sempre bom, porque assim tenho uma catrefada de vídeos dos bons para meter aqui!

video


video


video

video

video

Há mais uma série de vídeos, mas isto leva tanto tempo para carregar... E não me apetece nada esperar... Mas ficaram com uma ideia da coisa, não é?

E eu estive encarregue de fazer um pequeno discurso sobre o que nós esperamos dos professores... Mas como muito pouca gente ia perceber tudo o que dissesse, a Yuriko traduziu tudo o que eu disse. Mas ela confessou-me que o fez de uma maneira mais japonesa, ou seja, não tão directa como o meu original... Mas o que me interessa é que a mensagem chegue até aos profs!




Até a directora da escola tomou parte na coisa. Um esforço que não me passou ao lado, devo dizer!




E consegui apanhar o Yoji numa foto! Um momento raríssimo!


E o Tomek e eu fomos os responsáveis pelo jogo Simon Says.



Mas este foi demais!

video




E a coisa lá acabou. Com muitos aplausos e com um grande sentido de satisfação!

Assim que me despachei, fui ver a Elecia que ainda está no hospital. Tem tido alguma febre e por isso é melhor que por lá fique... Mas ela vai-se embora já para a semana... Mas mesmo assim o namorado dela veio de propósito até Oita para ficar com ela. E os dois querem, naturalmente, regressar juntos. O pior é que ela ia voltar com a Cathay por Hong Kong e ele com a JAL via Vancouver...
Quando cheguei ao hospital, umas professoras que trabalham com a Elecia estavam ao telefone a tentar arranjar um voo comum para os dois... E conseguiram mete-la no mesmo voo dele, mas em business, por uns meros 8000 dólares! Eu disse que isso não podia ser e peguei no Sam, o namorado, e fomos até à agência.
O tipo não falava inglês e foi um problema tentar explicar-lhe que eu queria cancelar os voos que eles tinham e fazer uma nova reserva à parte. Lá lhe tirei os papéis dos voos que eles tinham da frente e disse-lhe que queriamos voos para Montreal. Ele tentou tudo e mais alguma coisa, mas está tudo cheio! Tentámos voos com escala em Vancouver, Chicago, New York e tudo mais... Mas finalmente lá os conseguimos enfiar num voo para Los Angeles! Os dois por pouco mais de 2000 dólares.
Claro que estas coisas no Japão são sempre mais complicadas, porque marcar viagens só mesmo nas agências, que eles nem sabem o que é marca-las pela net e pagamentos é mesmo em dinheiro, nada de visas!

Isso lá passou, apesar de tudo junto ter levado 2 horas! Sim, leram bem, duas horas!!! Mas chegado o fim da coisa, estava chegada a altura para mais uma festa. Como lhe chamaram, a good job party, pelo sucesso do seminário!
Comer e beber até mais não por 2 horas.




E tivemos o prazer de conhecer a Margarita, a mãe do Javi, que está de visita!






Quem também apareceu, mais tarde, foi a vice directora de Niagemachi. Uma grande querida que, para meu espanto, pediu vinho branco. Muito mais fino que a bela da bejeca, sempre presente por estes lados!
No final da noite, ela só dizia que estava bebeda, mas estava felicíssima porque hoje esteve de folga!




E a Hiromi, a recentíssima namorada do JT, também se juntou à festa!



E cá estão mãe e filho...


Brincadeirinha!


E as músicas do dia ainda estavam presentes nas mentes de todos... Embora a coreografia fosse, by night, um pouco diferente...




Mas também houve tempo para uma sessão fotográfica digna de uma qualquer Gina...







E o culminar da noite foi, para alguns, no PEI (os outros foram ao karaoke)... É que, afinal, foi a última noite da belíssima Camille em Oita. Hoje já foi para Nagoya... Começar um novo ciclo na sua vida, junto do Fabrice! Vou ter saudadinhas!


Foi um dia deveras longo, mas que valeu muito a pena, porque nos divertimos muito, até na agência de viagens quando ninguém se entendia!

Mas para terminar quero deixar aqui mais um exemplo de como a nossa nova chefe funciona... Soube disto há bocado e já estive meia hora a espumar da boca e com convulsões...
Dois de nós foram a uma escola para fazer umas gravações dos livros que inglês... Acabada a coisa o professor ofereceu-se para os trazer até ao centro da cidade. Mas com a ressalva de não dizerem nada à nossa chefe! É que ela havia ligado para a escola de manhã a dizer aos professores para não lhes darem boleia! Acham isto normal?! Um gesto perfeitamente pessoal e inócuo! Isto não é normal! Mas ficam com uma ideia do tipo de pessoa com quem temos que lidar...