sexta-feira, junho 26, 2009

Obituário


De manhã acordei, liguei a televisão e a BBC dizia-me que o Michael Jackson tinha sido levado para o hospital e que teria, alegadamente, morrido.
E assim foi, como pude verificar a meio da manhã pela internet.

É uma pena, sim senhor, porque desapareceu um ícone incontornável da cultura contemporânea. Quer se goste, quer não, essa é a verdade.
Pessoalmente, gosto muito de algumas músicas dele, mas não sou um fan louco. Para isso, tenho a Tininha.


Tenho estado a ver e a ler coisas e a verdade é que este homem foi sempre estando presente nas vidas da minha geração. Lá está, muitas vezes, não esteve presente pelas melhores razões, mas a verdade é que foi ilibado de certas acusações. E se ele gostava de andar com um chimpanzé de um lado para o outro, fazer operações plásticas ou de dormir numa câmara hiperbárica, isso a mim não me interessa. O seu génio era a razão da minha admiração por ele.


Claro que estas coisas dão azo a muitos comentários... E eu acho um exagero bem à americana quando começam a falar da raça e de como ele foi importante. Ou de como ele tinha ainda tanto para dar, quando toda a gente sabe que há uns 10 anos que ele não fazia nada. Não que isso torne o que ele fez menos importante, mas tenho as minhas dúvidas sobre o que poderia vir a acontecer, mesmo com os 50 concertos em Londres...


Giro foi ver que, quando a notícia rebentou, a internet até ficou mais lenta. A nível mundial.
E vai ser interessanter ver as repercurssões que o cancelamento dos tais concertos de Londres irão ter na cidade!

Entretanto, muita gente do mundo tem deixado as suas palavras de dor... Desde a Madonna, que diz que não consegue parar de chorar até ao Hugo Chavez que lamenta a perda de uma pessoa como o Michael.


No mesmo dia que o Michael Jackson foi ali e já vem, também a Farrah Fawcett se despediu, depois de uma batalha de 3 ano contra cancro anal...

4 comentários:

Maldonado disse...

Nunca fui fã de MJ, apesar de apreciar uma ou outra música dele.
Quanto à FF, lamento muito mais o seu falecimento, pois, além de ela me recordar a minha infância (gostava muito dos Anjos de Charlie), a sua luta contra a doença que padecia deixou-me sensibilizado.

pinguim disse...

Vi o concerto do M. Jackson em Alvalade, salvo erro em 1992, e nessa altura ainda estava no auge da sua carreira. Nos últimos anos, era uma caricatura de si próprio e penso que não teria forças para a série de concertos que iria iniciar agora em Londres.
Claro que lamento a sua morte, mas a sua vida foi esquisita. Fica o som e a imagem de músicas de sempre...
Abraço.

V. disse...

T_T

Tenho co-workers que pagaram £150 para ir vê-lo. Não sabem como vai ser, se têm direito a refund ou não...

Apesar de todo o sarrabulho que a sua vida pessoal foi, nunca deixei de gostar da sua música... acredito que a sua música continuará nos mp3 players do mundo inteiro e está nas nossas mãos dar a conhecer às novas gerações quem tornou 'the moonwalk' famous!

Cor do Sol disse...

Ontem vi um documentário sobre a Farrah durante a fase da doença. Que garra. Que força de viver. Nunca se conformou e lutou, coisa que não me parece que o Michael tenha feito. Certo é que ele vai fazer sempre parte das minhas memorias de infancia, principalmente nas festas em que o meu primo o imitava na perfeiçao :)