quinta-feira, maio 07, 2009

Ó sana nas alturas

Tomei o meu último pequeno almoço na pousada da antipática e lá fomos nós, de mala e cuía, para o nosso próximo destino: Kirishima.

Fomos para a estação de Kagoshima, depois do barco. Deixámos o belíssimo Sakurajima para trás. Mas neste dia não estava tão belo assim, que o tempo estava nublado. Em bom português, tivemos uma sorte do caraças!
Na estação demos com mais um exemplo da imaginação desta gente. Um cartaz a dizer qualquer coisa como cuidado, não tente entrar no comboio depois do aviso para fechar as portas.
Nestas coisas, eles lá são imaginativos.


Fomos no comboio até Kirishimajingu. Enquanto esperávamos pelo autocarro para nos levar montanha acima, umas meninas meteram conversa connosco. Curiosamente, em japonês, embora uma delas fosse professora de inglês! Ele há coisas...
E também lá estava uma tipa que queria muito ir a Portugal! É que, não sei se sabem, os japoneses adoram Portugal!

Entretanto caía uma chuva miudinha.

Metemo-nos na carreira. E a coisa subia, subia, subia. Contornava curvas e mais curvas. Levava-nos em direcção a sana, lá nas alturas.
As árvores, o verde, a estrada, o nada. Tudo a nossa volta. A fazer-me lembrar o melhor da Serra de Sintra. Eu estava maravilhado com aquilo.

Uma hora depois, chegámos a Ebino. Uma zona nas montanhas. Com algumas lojas, restaurantes, nascentes quentes. O ponto de partida para caminhadas pelas montanhas a fora. E tanta gente que o faz! Vá-se lá perceber porquê!

A Ambre e eu depressa nos separámos. Eu fui tomar banhos. Quentes. Óptimos. A Ambre foi montanhas afora, ver lagos e musgo.


Não é que não gostasse de o fazer, mas neste dia, e com a chuva, não me estava nada a apetecer... Por isso preferi ficar de molho!

Depressa o nosso tempo em Ebino acabou. E metemo-nos numa carreira para Koybayashi. E de lá fomos para Miyazaki. A meca do surf no Japão. A prefeitura logo abaixo de Oita.

Nem sabem como foi difícil encontrar o raio do hotel! É que as moradas no Japão são por números. Por exemplo, a minha é 3-2-32 Sekidencho. Ou seja, eu moro na zona 3 de Sekiden, no quarteirão 2, no prédio número 32. Coisa chata e pouco original, não é!? Go figure!
Mas o que é mais curioso ainda é que Miyazaki tem inúmeruas ruas com nomes a sério! Eu nunca tinha visto tal coisa neste país, nem mesmo em Tokyo!


A Ambre teve que ligar duas vezes para o hotel para darmos com aquilo! E até que nem estava escondido nalgum beco escuro ou assim... Mas sem conhecermos a cidade, parecia a demanda pelo santo gral!

Deixámos as coisas no hotel e fomos comer. E que difícil foi encontrar um sítio que me agradasse - eu é que sou o esquisito de serviço! Era tudo bem japonês. Um restaurante atrás do outro...
Mas ainda bem que continuámos à procura, porque demos com a rua do comércio lá do sítio! E estava cheia de gente. Coisa impensável em Oita, mesmo sendo Miyazaki uma cidade no campo profundo e mais pequena do que a primeira!

E cá estão os peixinhos outra vez, como comemoração do dia dos meninos!


Acabámos num bar todo giro, com música ambiente da boa, um loook super chic. Nem parecia que estávamos no Japão! A Ambre até me disse que tinha imensas saudades deste tipo de coisas. É que nem as há em Oita!


E topem-me o cabide super fixe que lá tinham! Eu tinha que tirar uma foto!


Outra coisa que jamais compreenderei neste país é a obsessão que esta gente tem por comida. Ele é programas sobre comida (e não me refiro a programas tipo Maria de Lurdes Modesto!), viagens para ir comprar não sei o quê não sei onde, filas para comprar algo "super especial"...


Que desperdício de energia, só vos digo!!!

Andámos por ali mais um bocado e demos com algo absolutamente maravilhoso: num salão de jogos - e vocês sabem como os japoneses gostam destas coisas - demos com um tipo a dar um baile à máquina de taiko, os tambores japoneses. Ora vejam:



Acreditem que não é fácil, que aquilo é preciso seguir o ritmo de determinada forma e bater no tambor em determinadas posições!
Fiquei abismalhado, que nunca tinha visto tal coisa! E, aliás, acabo de reparar, que o tipo domina os dois tambores... que supostamente servem para dois jogadores diferentes!

Voltámos para o hotel e mamámos uns geladinhos que comprámos na loja de conviniência!


E vejam o que estava a dar na televisão!


Que bom!

Depois, e não em resultado da ingestão do gelado, tenho que dizer, fui à casa de banho e dei com este comando da sanita.


Eu já aqui falara das sanitas no Japão. Há-as em forma de buraco no chão, as normais e as high-tech. Estas últimas estão cheias de botões, seja no assento da sanita (tipo num braço próprio), seja num painel na parede ou, como se vê na foto, com um comando.
E, claro, há botões para todos os gostos, desde o que regula a temperatura do assento (se virem o título do blog, há uma referência a isso), até, e como se vê na foto, ao spray de água para limpar o rabinho e a opção bidé, que me parece estar mais direccionada para as senhoras. E, claro, há sempre a hipótese de regular a força do jacto.

Digam-me lá, a sério, se este país é normal!?

4 comentários:

João disse...

Kagoshima...Que saudades.
Estive aí qd fui a Minamata :)

A... disse...

Quanto à casa de banho... =)
http://www.youtube.com/watch?v=f5vVJiNoc5k

Diverte-te...

Anónimo disse...

Já tinha visto algumas fotos...muito bom mesmo! Fico sempre fascinada na parte das casas de banho!! eheh!!
Beijocas e anda bem que te andas a divertir (bem...como sempre!)
Inês

NanBanJin disse...

Grande Ângelo:

Recomendo-te - para a próxima e se tiveres achance - que vás até Yakushima, que é ainda mais abaixo de Kagoshima (2 horitas e meia de ferry), uma ilhota do arco-da-velha, mesmo ao lado da Tanegashima onde os nossos do sec. XVI aportaram e trataram logo de dar arcabuzes à malta toda, não fôsse o Diabo tecê-las, facto pelo qual os Porutogaru-Jin são ainda muito estimados nessas paragens.

Estive lá, em Yakushima, em Novembro passado e em geral senti-me maravilhosamente bem recebido e o sítio é mesmo lindo de morrer, é mesmo fora do filme - serviu de inspiração ao Hayao Miazaki para o desenho-animado da "Princesa Mononoke" (se calhar não fazes a menor ideia do que eu estou para aqui a falar, mas devias ver o filme se ainda não o fizeste...).

Já todos sabemos que estes gajos daqui são beras até dizer chega em imensos pontos, mas vá lá!, admite: este é um país incrível! é ou não é?
Quanto aos pequenos-almoços marados, para nós que detestamos o Asa-gohan de peixinho frito e arroz branco logo pela fresca, segue o meu conselho: compra o que precisas de véspera na loja-de-conveniência e poupas-te a stresses desnecessários e não se fala mais no assunto. De resto já sabes como estes gajos são... ainda por cima aqui no Japão-merdaleja onde somos praticamente Marcianos!...

Se quiseres 1001 outras dicas para 1001 outros lugares delirantes por esse Japão fora e particularmente aqui pela "nossa" Kyushu, pergunta a este NanBan que ele não te deixa ficar mal.

Grande Abrç.