segunda-feira, agosto 31, 2009

O Regresso - A Ms. Liberdade. E mais Boião de Cultura.

Estava um dia óptimo para ir ver a Estátua da Liberdade! Sim, que ir a New York e não ir à Estátua é que não podia ser.
Infelizmente, muita gente pensou o mesmo que eu. Tudo bem, não há crise, que também não demorei muito nas filas. E como há sempre barcos a atravessar a água para a ilha onde está a Estátua, a coisa foi bem rápida.
O que me deixou um pouco mais triste foi o facto de já não haver bilhetes para subir ao pedestal da Estátua. Muito menos para ir à coroa, para onde só há bilhetes para Dezembro...
Tudo isto quer dizer que lá terei que voltar a New York. Com muita pena minha, claro.

Antes de ir para a Estátua almocei em pleno Battery Park, um parque aos pés de Manhattan. Um belíssimo parque, diga-se de passagem.
Esta escultura estava junto às torres gémeas e está agora no parque, como monumento a lembrar o que sucedeu e quem pereceu.





Imagino o balúrdio que será morar aqui.




E lá está, na ilha à esquerda, a Estátua da Liberdade. A ilha à direita é a Ellis Island, local onde muitos emigrantes do outrora desembarcaram quando chegaram aos Estados Unidos.
É possível visitar os dois sítios, mas eu fui só à Estátua.



E cá está ela, vista do barco.



E eu a pensar eh, pá! Estou mesmo aqui!


Esta é a ponte Verrazano-Narrows, que liga Brooklyn a Staten Island, lá bem longe.


E a Estátua com Mannhatan como fundo.





Eu e ela.







Um belo passeio, sim senhor. Com montes de gente à volta, como seria de esperar.

Deixei a Ms. Liberdade para trás e voltei ao Battery Park, para os lados do Staten Island Ferries. Coisa que não cheguei a apanhar... Mas, lá está, fica para a próxima!





Bebi um soy latte e comi um cinammon roll no Starbucks, que estava com fominha, e meti-me no metro, esse sítio onde há sempre gente alguém a tocar e/ou a cantar.



O meu próximo destino era lá para cima...



O MOMA, Museum of Modern Art. Tinha-me sido recomendado por muita gente. E essa gente não podia estar mais certa. Senti-me completamente maravilhado com tudo o que vi. Mas tudo - ok, umas coisas mais que outras, é verdade. E pensei no sortudo que sou por poder ver coisas absolutamente fantásticas. Toda a gente devia ter a mesma sorte!




Atenção que isto não é uma feira no museu. É, isso sim, arte.





Um Van Gogh. E eu.




Achei este absolutamente extraordinário.


O Matisse. Foi giro estar a olhar para este quadro e a pensar vi isto nos livros da escola e agora está aqui à minha frente!



Se bem me lembro, um auto retrato da Frida Kahlo.









Um Picasso, bem ao estilo de Guernica.





E qual a minha surpresa quando dei com o And Warhol!



Olhem bem para mim com um dos ícones do Andy!










A Blondie também lá estava.



E eu bem que me farto de dizer que a minha Tininha é especial... E cá está ela. Na arte!


Esta sala era, ela mesma, um instalação. Curiosíssima. Cada pessoa que lá entrava encostava-se à parede. Era-lhe tirada a altura. O seu nome inscrito na parede, juntamente com a data.


E assim se criou este efeito louco.


E eu estou algures aqui. Acho.






Os troncos são feitos de papel de jornal.






Voltei à East Village e levei o Daniel a jantar. Era o mínimo que podia fazer.



Comi peixinho do bom outra vez.

4 comentários:

Maldonado disse...

Estou abismaravilhado com as fotos do MOMA!

Cor do Sol disse...

Tu tens uma foto com a noite estrelada?! Aaaaahhh. Eu ainda esgano alguém. A minha amiga que foi lá no inicio de Agosto trouxe-me uma cópia de presente. Ao menos isso. No ano passado fui a Amesterdão ao Museu Van Gogh e tinha lá tudoo que eu queria ver menos esse menino que é o meu favorito. Pfff :P

Sofia Feliz disse...

Eu se te apanho aqui por terras Lusas, nem sei o que te faça!!!

É preciso lata: vir fazer pirraça aqui à malta ao lados desses quadros maravilhosos! Snif, quero ir viajar, ora bolas!

Beijos,

Rui disse...

Oh Angelo, parece que descobriste mais do que Andy Warhol: o segundo quadro, entre o retrato da Marilyn e as latas da Campbell's Tomato Soup, pertence a Roy Lichtenstein, outro vulto da Pop Art. a obra chama-se "Drowning Girl".