domingo, dezembro 28, 2008

Sydney 27/Dez - Ou o dia em que me senti magro

Uma coisa em que já reparei foi que os australianos conseguem ser bem... gradinhos... assim como quem diz gordinhos... O que me deixa sobremaneira feliz, porque me sinto magro quando ando pela rua afora! Sim, que no Japão são todos uns palitinhos que até chateia!

Mas deixemos estas afirmações escatológicas para outra altura...

Encontrámo-nos de manhã e fomos de novo até Circular Quay. Que que queria tirar umas fotos em frente à ponte e à Ópera!
E demos logo com uma demonstração das artes aborígenes! E que bom, que eu adoro aborígenes! Ficam sempre bem!



Música de fusão, mas muito boa, sim senhor!

E depois foi a minha vez... Mas não toquei mesmo a coisa que não queria estragar o momento... Nem apanhar alguma doença, sei lá eu quem lá tinha metido a boca antes de mim!


E lá fomos à Ópera, desta vez com uma visitinha ao interior e tudo! O que, convém dizer, até nem é muito interessante...


Eu e o Shin, numa pose japonesita...


E o Flip... Numa pose, como diria ele, australiana!



E de um lado fica a ponte... E do outro o mais do gigantesco porto de Sydney!





Lá deixámos a Ópera para trás e continuámos o nosso passeio por Circular Quay, onde demos com este tipo... Por acaso, japonês...


O tipo, por acaso, era bem divertido!
Deixámo-lo para trás e fomos até à Sydney Tower, no centro da cidade.
Passámos por um belo centro comercial...


E lá estava a torre, com uns 260 metros ou coisa parecida...



Não é lá muito bela. A de Macau, por exemplo, é mais bonita. Mas a vista lá de cima vale mesmo a pena. E dá para uma pessoa ver a imensidão da cidade, bordejada pelas Blue Mountains, pelo Oceano Pacífico e, no meio disto tudo, centenas de baías que formam o famoso porto de Sydney.




Mas a nossa aventura ainda estava no início... Metemo-nos no Skywalk. Sim, uma daquelas aventuras em que se sobe acima do andar panorâmico e se anda no lado de fora da torre!



Uma beca nervoso e tal, mas como não era a primeira vez (já o tinha feito em Macau com mamãe), já sabia mais ou menos ao que ia!

Há uma catrefada de fotos tiradas lá no topo. E que valem bem a pena... E eu comprei o cd com todas elas, mas não as consigo pôr agora aqui... Vamos ver se as consigo meter aqui mai logo...

E cá estou eu com a nossa guia, a Haseena, uma kika. Aprendemos imenso com ela, desde onde é o bairro da luz vermelha (sempre útil, mas não percebi porquê que ela olhou para mim!), o porquê do nome do aeroporto ser Charles Kingsford Smith (é o nome de um menino salvo do mar perto dali! Melodramático, não é!), o facto de o topo da torre ser uma cisterna e balançar a torre, uma beca da história de Sydney etc etc...


Valeu bem a pena e depois lá descemos e fomos comer... Não sem antes darmos com um pouco de arte de rua!


A ver se os mendigos de Lisboa aprendem a ser finos como o menino do vídeo e começam a tocar violino, harpa ou piano! Só lhes ficava bem!

E fomos comer! E eu comi um belíssimo Doner Kebab, coisa mai' boa!


Também vi a câmara municipal da cidade. Tal e qual da a Amadora!


O monocarril a passar pelo meio (e até por dentro) dos prédios...


E a chuva, vista da minha cama, que vim dormir um pouco que ainda não estava completamente restabelecido!


A chuva passou, voltámos a encontrarmo-nos e fomos um pouco para a night, bailar e ver as vistas! E a música era bem boa!

1 comentário:

Maldonado disse...

Era de valor se também conhecesses o interior australiano, o qual tem uma fauna e uma flora espectaculares.
Gostei mais uma vez da descrição de Sydney.