domingo, dezembro 28, 2008

Sydney 26/Dez - Cidade bela

Entrar na Austrália é complicado. A senhora da fronteira até foi kika e tudo, mas fui chamado de parte para verem não sei quê no meu passaporte. Devem ter achado que tenho cara de terrorista! Mais gente foi sendo chamada de parte, e até tinham bom aspecto... Por isso não sei o que terá sido!
E depois disso era ver pessoal com cães a snifar tudo e mais alguma coisa. Não só por causa das drogas, mas muito também por causa de alimentos frescos - eu declarei que tinha biscoitos que a Chewy e o Lee me haviam dado! - de madeiras não trabalhadas, e outras tantas coisas. É que a Austrália tem um pavor de qualquer bichinho que se possa tornar uma praga e destrua as fauna e flora desta ilha-continente. É que já aprenderam com as pragas dos coelhos, dos ratos e outros que tais!
Mas eu até nem estava com pressa, apesar de estar cansado da viagem... E estava, claro, entusiasmado com o facto de estar na Austrália!
Meti-me no comboio do aeroporto para o centro...

E dei com um dia absolutamente maravilhoso. Como se Baco estivesse à minha espera!

Bem, não estava Baco, mas estava Bose... Uma publicidade a não sei quê!


Mas vim para albergue onde estou que estava OK KO, como diriam as grande Doce!

Dormitei. Pus-me (ainda mais) belo e lá fui partir à descoberta da cidade. E a primeira descoberta que fiz, foi logo do outro lado da rua.


Estava com fome, e a minha companheira de quarto tinha-me dito que havia um bife muito bom logo ali... E eu decidi experimentar!


Esta beleza gastronómica, impossível em Oita, ficou-me por uns meros 4.35E! Uma maravilha!

Logo depois disto, liguei à Judy, que está fora a passar o Natal. E ao Shin, que estava na praia. O Shin é um amigo japonês que está a morar no Tonga! E está de férias aqui também!

Apesar de estar sozinho, decidi que não podia desperdiçar a bela tarde e lá fui eu! E comecei logo pela estação central, aqui mesmo ao lado!



Eu, que sou um gajo que oberva, já tinha reparado que há um autocarro gratuito nesta zona. Funciona como dissuasor do uso do transporte individual. E leva-me daqui onde estou para Circular Quay, the place to go!

Curioso que, dado o tipo de arquitectura, sobretudo victoriano, e com o azul do mar lá em baixo, esta cidade faz-me muito lembrar San Francisco. O que não faz mal nenhum, que San Fran é bem bom!


Mas o azul do céu com o azul das águas do porto, com a ponte e a Opera House ali mesmo é deixar qualquer um abismado! Juro, palavra d'honra!





Andei por ali um pouco, sobre o sol abrasador. Mas que feliz estava por, finalmente, estar num sítio que "calor" não significa "humidade"! Parecia que estava em Portugal!
Já para não falar do facto de estar num sítio que, durante 30 anos, só vira em livros e na televisão! Parecia mentira, mas estava mesmo em Sydney!

E ali mesmo ao lado da Ópera, estão os Royal Botanical Gardens, onde me sentei a apanhar sol, descamisado, como muitos dos locais, e de onde escrevi uma série de postais, para uma série de pessoal!



Fiquei por lai por uns momentos, com o sol, e depois à sombra de uma árvore grandalhona. A usufruir desta cidade, do porto, da brisa do mar, da enorme variedade de pessoas nesta terra! Que bom é poder ouvir mandarim, hindi, inglês, espanhol, árabe e tudo mais! Na verdade, quando aterrei, senti-me algo estranho face a tanta gente diferente... É lamentável dizê-lo, mas é verdade!

Mas lá segui o meu périplo e fui ver a Ópera mais ao perto!






Foi concluída nos anos 70 - não me lembro em que ano - e foi desenhada por um dinamarquês. Há quem diga que ele se inspirou em gomos de laranja e há quem diga que foi nas velas dos barcos. A verdade é que o senhor morreu há uns dias e que nunca mais voltou à Austrália, depois de um valente desentendimento com o governo da terra dos cangurús.
O interior da coisa ainda nem estava terminado... E foi concluído não seguindo a traça original, o que fez com que a acústica seja ainda terrível! Mas o filho e o neto so arquitecto estão agora a trabalhar com a Ópera, para que a obra seja terminada como deve ser!

Estão a ver as coisas que uma pessoa aprende!?

Finalmente, lá voltei a ligar ao Shin e ele estava de regresso da praia! E que bom foi poder revê-lo depois de um ano, ou coisa que o valha!

Fomos até Chinatown, bem perto de onde estou. Ver as lojas e preocurar uma coisa chinesa que ele queria mesmo comer... Mas que não conseguimos encontrar!


Embora eu ache que há uma grande misturada entre o antigo, o novo, o mau, o bom e os anos 80 (uma categoria por si só!), há uns belos edifícios bem no centro da cidade, conhecido como CBD (Central Business District) - é agora altura de reverem a vossa geografia do liceu!


E acabámos por ir jantar a casa do Flip e da Fiona. Um belíssimo apartamento, banhado pela luz do sol que ia já de encontro ao horizonte!


Comemos comidinha tailandesa. Era para ser chinesa, mas o restaurante estava fechado! E eu que sempre pensei que os chineses trabalhassem todos os dias, mesmo no dia logo depois do Natal, o boxing day, em que, como a Fiona me contou, as pessoas estavam à porta das lojas antes das 5 da manhã para aproveitarem os saldos!


E cá está o Shin, já com um g'anda bronze trazido do Tonga.


E a belíssima Fiona e eu mesmo, depois de trocarmos histórias de viagens e aeoportos. Só vos digo, a história dela no aeroporto de Delhi... UI!

3 comentários:

eu disse...

Depois de ler a viagem pelo Japão agora Austrália...excelente fotógrafo...continua a contar a viagem vou passar por aqui todos os dias.
BGD bj

Maldonado disse...

Adoro os teus relatos: és um viajante nato. Aprende-se muito com eles...
Quando voltares a Portugal, tens que editar um livro de memórias da tua estadia no Oriente, a qual, embora não sendo atribulada, faz de ti uma espécie de Fernão Mendes Pinto soft.
Gostei das fotos e informações sobre Sydney. Deixam qualquer um roído de inveja... ;)

João disse...

Fantástico. Tudo com excelente aspecto. Até o bife.