terça-feira, março 25, 2008

Hiroshima, meu amor!

Eu e a Lauren ja decidimos: se algum dia ficarmos no Japao para toda a eternidade, e em Hiroshima que queremos viver!

No outro dia encontramo-nos na estacao como combinado e metemo-nos no sonic em direccao a Kokura... Vejam-me bem o interior deste comboio:


Estao a ver o que estao a perder por nao virem ca a Oita ver o menino!?
Na verdade, ha tanto espaco entre os assentos que nem se consegue por os pes no apoio da cadeira da frente, a nao ser que estejamos todos refastelados...

Chegamos a Kokura e metemo-nos nessa maravilha da tecnologia que e o shinkansen ou comboio-bala. Ainda por cima, quando comprei os bilhetes, a menina disse-me que estes seriam os comboios mais recentes! E so vos digo, pareciam uma nave espacial, sem barulhos, sem abanos... Ate a Lauren ficou espantada!



O design e espectacular... Muito embora, a meu ver, pudessem ter feito mais qualquer coisinha com os assentos...

Adiante...



Com isto tudo, e com pouco mais de 2 horas de viagem, la estavamos nos em Hiroshima. Toda a gente ja ouviu falar de Hiroshima. E se nao ouviu, facam favor de abandonar este espaco, que farto de gente burra estou eu!


Da estacao fomos ate ao hotel. Estava tao orgulhoso de mim mesmo, so com uma pequena maleta para 3 dias!!! Estou a progredir, nao estou, Mari?
Chegamos ao hotel, metemos as coisas no quarto e la fomos nos descobrir a cidade onde foi usada a primeira bomba nuclear como arma.

Foi nesta zona que a bomba explodiu. Para quem nao sabe, tanto esta como a bomba em Nagasaki nunca tocaram o chao. Neste caso, a bomba explodiu a 600 metros acima do solo e trouxe, como toda a gente sabe, uma destruicao avassaladora...


E eis que chegavamos ao ex-libris da cidade, a A-bomd Dome.










Este edificio e o exemplo maximo da destruicao que a bomba trouxe. A estrutura do edificio esta la, mas nao esta la toda. Vem-se vigas retorcidas e paredes quebradas.
Mas e tambem um exemplo de sobrevivencia. Tao perto do ponto exacto da detonacao e resistiu...


A A-bomb Dome foi, em tempos idos, o pavilhao de exposicoes da industria da prefeitura de Hiroshima. Acabado em 1915 e desenhado por um arquitecto checo.

Escusado sera dizer que nos sentimos completamente infimos quando frente a frente com tal testemunho da estupidez humana... Mas estava um dia lindissimo e tinhamos ainda tanto para ver...

Toda esta zona, mesmo junto ao rio, e um grande parque. Zona protegida e que e para se mantida como esta. Um verdadeiro monumento a paz, com referencias a esta palavra em tudo o que e lado.

Do outro lado do rio, depois de atravessarmos a ponte, ha um monumento dedicado as criancas que pereceram e, parace-me, a todas aquelas que sofreram com a guerra, directa ou indirectamente, quer pela doenca, quer pela perda das familias...


A existencia de tantos grous em origami tem uma explicacao:
Ha o mito de que se se fizer 1000 grous de papel um dos nossos desejos tornar-se-a realidade. E houve uma menina, Sadako, que fez 1000 origami somente com o desejo de ficar boa...
Sadako tinha 2 anos quando a bomba caiu em Hiroshima... Comecou a ficar doente e, dez anos depois, foi-lhe diagnosticada leucemia...



Infelizmente, os grous nao tiveram o efeito desejado e Sadako acabou por falecer em 1955, aos 12 anos.
Ainda hoje, ela e o simbolo do sofrimento que a bomba trouxe naquele dia 6 de Agosto de 1945...


No parque tambem podemos visitar o museu da paz. Saltou-me logo a vista a elegancia do edificio. Simples, como se pode ver.
Mas em primeiro plano ve-se (mal se ve, mas podem imaginar) uma chama que so se apagara quando todas as bombas nucleares tiverem sido apagadas.


O parque e belissimo e muito interessante.
Outro local de interesse e este arco em fronte do qual se lembra o fatidico dia todos os anos. Debaixo do arco ha como que uma urna onde se guarda um livro com os nomes de todos os sobreviventes que entretanto vao falecendo. O livro e retirado, actualizado e guardado aquando das cerimonias anuais.


Como podem ver, um sitio cheio de historia. Nao uma historias feliz, mas aquela que e verdade...

Por falar nisso, logo depois fomos ver o museu... Confesso que estava muito reticente em relacao ao que ia ver. Lembro-me de, no museu de Nagasaki, ver imagens grotescas de pessoas feridas e em sofrimento, mas nunca uma referencia ao porque da guerra e as atrocidades que os japoneses tambem cometeram durante a guerra...
Pois bem, o museu de Hiroshima e muito mais imparcial a esse respeito. Alias, ainda hoje falava com um professora japonesa em relacao a isto e ela mesmo dizia que na escola nao se fala das escravas sexuais ou dos trabalhadores escravizados que os japoneses mantiveram durante a guerra...
Ha varias referencias aos escravos chineses e coreanos que faleceram em Hiroshima e ha tambem uma retrospectiva sobre o passado militarista e belicista do Japao que culminou no ataque a Pearl Harbour e, mais tarde, do bombardeamento de Hiroshima.
E verdade que nao ha pormenores do que os japoneses fizeram, mas entre varias referencias a isso e inexistencia das mesmas, prefiro a primeira opcao.

Ca esta um relogio que parou na hora exacta em que a bomba explodiu nos ceus: 8.45 da manha.


E ca esta o que sobrou de Hiroshima...



Junto ao painel que mostra a destruicao atroz da cidade esta uma referencia a reconstrucao da mesma. E e incrivel ler que a cidade comecou a reerguer-se logo no dia seguinte! Eu nem queria acreditar no que estava a ler!







Mais uma vez vi imagens do sofrimento das pessoas, da destruicao, de tudo aquilo de que a guerra e capaz...




Deixamos o parque para tras. Passamos la umas valentes horas e foi um sitio que valeu muito a pena!

Depois andamos ate a zona comercial no centro da cidade. Fizemos umas comprinhas, umas coisas minimas. Eu comprei uns tennis novos, que estava a precisar de qualquer coisa branca com um pouco de vermelho, que os meus outros tennis ja deram o que tinham dar...

E demos com o Sonic. Eu, que sou muito burro, disse que era o Doraemon, quando queria dizer que era o Sangoku... Mas a Lauren, essa sabia, corrigiu-me logo!


Andamos que nos fartamos e acabamos na Okonomimura, a vila do okonomiyaki, um prato bem popular no Japao! E bem nos que os queriamos experimentar ao estilo de Hiroshima!


Entramos num edificio de 8 andares, ou coisa parecida, em que todos os sitios eram pequenos restaurantes de okonomiyaki. Sitios minusculos, sem janelas, uns quantos no mesmo andar, bem ao stilo japones. So vos digo, se a ASAE fosse a este predio era fechado no momento!


E muito giro ver a destreza com que eles fazem a coisa e nao se enganam... E que nem todos sao iguais, embora o parecam!





Comemos e tal. Tanto eu como e Lauren nao gostamos muito. Quer dizer, nao desgostamos, mas ha estilos melhores!


Mas fizemos duas amigas que estavam ali mesmo ao nosso lado. Ambas nutricionistas... a comer coisas cheias de gorduranga e a beber cervejola!
Eram umas queridas, estas nossas amigas de Hiroshima!


Depois voltamos ao hotel. Eu estava cansado... Nao tinha dormido muito bem e tal... mas, por esta altura, estava ja a adorar a cidade... Mal sabia eu o que me esperava...

6 comentários:

Amelia disse...

O menino é um must das reportagens fotográficas. Sempre 105% lúdicas, educativas e bem dispostas. Só faltou referir-se ao lema de Hiroxima: "Esta cidade é um verdadeiro estoiro!"

Trureloo, com imensas saudades,
Amélia

Antonio Rebordao disse...

Eu adoro okonomiaki de Hiroshima. Acabei de o comer ao jantar num restaurante fantástico cheio de alma e simpatia.

Cuida-te bem e continua a saborear a beleza deste país.

Abraços

Maria Manuela disse...

Ainda estou arrepiada com este teu post...


Ainda bem que te divertiste...

beijos

Paracletus disse...

Fiquei abismaravilhado com este post!
Já há algum tempo que venho acompanhando o teu blog, pois nos teus posts mostras um pouco da realidade do Japão, duma forma ligeira e cativante.
Se um dia for ao Japão, Hiroshima seria o meu destino de eleição, pois sensibiliza-me o seu passado histórico recente.
Admiro imenso a cultura japonesa, pois, considero-a um exemplo para o Ocidente, embora reconheça que também tenha as suas insuficiências...
Esta tua crónica, deixou-me bastante curioso em relação a certos aspectos da realidade japonesa, por isso espero que continues a brindar os teus leitores com novos posts fantásticos... lol
Presumo que sejas um apreciador de música dos anos 80, por isso deixo-te este link duma cantora dessa época, Sandra Cretu, cuja canção vem a propósito do tema do post:

http://www.youtube.com/watch?v=fS6F42mAcqo

Espero que gostes...

PS: Espero que também visites o meu blog...

Anónimo disse...

Meu Amigo...que bela viagem!
Adorei as fotos e a possibilidade de "viajar" com os teus comentários...

Ah pois...que o menino não é só ramboia, também tem uma parte cultural...ah é verdade e trabalho! :)
Inês*

João Carvalho disse...

Recordo que a emoção foi tanta quando avistei pela primeira vez o monumento a Sadako que fiquei grato de estar a usar óculos de sol mas daqueles bem escuros...

Por isso sou um pouco mais crítico do que tu no que diz respeito ao museu de Hiroshima onde se fala a rodos dos desgraçados coreanos e coisa e tal mas nem se refere porque carga de água é que havia tantos coreanos a morrer nos céus de Hiroshima naquele dia...

Da Costa De Carvalho dixit