domingo, fevereiro 07, 2010

Qualquer dia viro guia turístico

O que, a bem dizer, não seria uma coisa nada má: passear por sítios bonitos, conhecer gente de todo o lado, correndo até o risco de dar com gente interessante. Ora aqui está uma opção...

Na quinta feira, chegou o Angelo da Sicília. Que veio passear a Lisboa com um amigo também de lá, mas que mora agora em Haia. E no nosso último dia juntos, ainda se nos juntaram uns tipos polacos que eles entretanto encontraram!
Ou seja, houve tour de Lisboa do mais étnico e variado possível. O que é sempre bom, porque aprendemos muitos uns com os outros. Mas quer-me cá parecer que nunca vai ser possível aprender polaco, que é difícil como o caraças. Mesmo apesar de os sons serem bem parecidos com o português...

Vou aqui deixar um resumo dos nossos passeios por estes dias. Mas o resultado final é sempre o mesmo: adoraram Lisboa. E isso é que é importante!






Que fiz eu quando lhes dei a conhecer a Ginjinha?!



A Igreja de São Domingos de novo.




E um sábado absolutamente maravilhoso... Com o Tejo enovoado, mas um sol divinal por sobre a cidade.




O grupo que se juntou para se maravilhar pelas ruas de Lisboa a fora.



O Angelo a expiar os seus pecados junto à Nossa Senhora do Monte.





O Fabio, o rapazola acima, queria comer uns pastéis de bacalhau. E foi ali mesmo na Graça que demos com eles. E, devo dizer, estavam excelentes!






E eu que nunca tinha visto este urinol, numa esquininha mesmo junto à muralha do castelo!







Eu acho que Lisboa está cada vez mais como New York: cheia de gente doida...




O que é óptimo, porque assim há sempre que ver, de que rir e o que comentar!

Depois fomos Alfama abaixo.












Os encantos do Vinho do Porto.



E acabámos na Sé, claro.





Só eu e o Fabio continuámos o resto dia, até à hora do jantar. O Angelo estava algo doente e os polacos queriam descansar, que tinham chegado a Lisboa há umas doze horas...

A nossa primeira paragem foi a igreja ali na Rua da Madalena, onde nunca havia entrado.




E fomos parar ao Tejo.







Até lancharmos na Confeitaria Nacional. Ou melhor, ele lanchou. Eu queria mesmo um latte, pelo que tive que ir ao único sítio onde há latte de soja: o Starbucks. Coisa mais portuguesa não há, como se sabe!



Como ainda tínhamos tempo para encontrarmos os outros para o jantar, apahámos o 12 e tirámos mais fotos.



Incluíndo esta, que faz parecer que a estação do Rossio está a arder. Mas não. São só as castanhas a assar...









Jantámos numa tasquita ali para os lados da Calçada do Garcia, acabámos com as sobremesas e houve ainda espaço para mais umas ginjinhas!



Entretanto o Angelo já foi para a Sicília e o Fabio para Haia. Os polacos ainda cá estão e se tudo correr bem, amanhã vamos aos pastéis de Belém!

6 comentários:

André! disse...

Como eu adoro Lisboa...ainda falta aquele café que se falou há algum tempo...é preciso resolver esse problema!

Pepita disse...

Olá Filhote.
Tenho andado fugida à conta do "bué" de trabalho que me dão... o que vale é que já faltam menos de dois meses para poder começar novamente a ter vida!!
Também andei por Alfama no fds passado, mas sem inspiração e sem vontade de fazer "click". Acho que te devia ter contratado :-)
Tu que és um filhote culto, viajado, com tantas excelentes ideias e que conheces tantos cantinhos interessantes da capital e arredores, não me queres ajudar a arranjar tema para o meu trabalho final? A mommy agradecia...
Beijinhos

Fernanda disse...

A minha cidade é a mais bonita do Mundo! Obrigada

V. disse...

Quanto cobras à hora? Que fazes um guia e peras!!!

Astrid disse...

Eu confesso: eu faço passeios virtuais com o Angelito e a malta dele... :)

Beijos, flores e estrelas *****

sofia disse...

Ai, falaste em Sicília e eu derreti :)

Mas pronto, já passou!

Adoro ver as fotos que vais tirando... dá-me alento para continuar os trabalhos do Mestrado que ainda me atormentam. E se tudo correr bem, e o Sr. Diogo não quiser nascer de 7 meses, na 6ª feira fica despachado o 1º semestre!

Irra, diverte-te e vê lá se bebes uma ginjinha por mim, que eu agora não posso ;(