quarta-feira, setembro 24, 2008

Direito de resposta

Eu não sou o Pacheco Pereira que vira louco com a RTP, mas cá ficam umas respostas devidas...
- Pulha Garcia, um destes dias devias meter-te num aviãozito até ao Japão. Olha que vale bem a pena! E até podes trazer a ex e os noivos e o bolo e os padrinhos!

- Ana Maria de Alverca e Baião, como bem sabes, não escondi nada! E bem que quero lá ir um destes dias contigo para nos rirmos que nem malucos e fazermos das nossas! Ok?
E mal posso esperar para que a tua encomenda chegue! Mesmo que estejam 40º, vou andar com a encomenda à minha volta (se é o que penso). Eu bem sei que poderá parecer estranho, mas neste país nada o é! Believe me!

- Mike Oak, primeiro escolhes um postalito bem à maneira e depois mandas. A morada é:
Angelo Meneses
Room 306 Yukishige Bldg.
3-2-32 Sekiden-cho
Oita-shi
870-0048 Oita-ken
Japan
E manda também a tua morada que gosto sempre de responder!

- Inês, amiga, os nossos CTT até que são bem bons! O atendimento até pode ser uma nódoa (vais aos da Reboleira e só queres é desatar aos murros e aos pontapés!), mas de resto não estão nada mal!
E os bolinhos, como já disse, chegaram bem belos. E ainda ali tenho uma pontinha que os tenho que fazer render!

- Maria, babe, é já para o mês que vem! Dia 5 de Outubro lá vou ter uma festinha com o pessoal, embora esteja a ser virtualmente impossível encontrar um sítio para fazer um pic-nic... Mas alguma coisa se há-de arranjar...
Ah, bardana foi a tradução que encontrei para gobo... Em inglês é greater burdock, como que um nabo sobrecumprido. Um dia destes tiro uma foto a um inteiro.
E boa sorte para mais um semestre cheio de aulinhas depois da estrebaria!

- Rosarinho, antes que me esqueça, qual a tua morada? Ainda te devo um postalito!
Acredita que eu trocava, de boa vontade, o colorido das modas nipónicas por um valente bacalhau com natas feito pela Marta (tu não sabes quem é, mas eu sei e acredita que o bacalhau dela é divinal!). E um arroz doce e uma mousse em cada esquina!

- Hannah, que coisa é aquela com que entremeaste o teu comentario? Um cântico budista?

- Maldonado, o meu verdadeiro Eu já anda por aí há muito tempo. Mas ir dar um passeio, perdão, ir num retiro espiritual é sempre bom!

- (O outro) António,
Não é mau feitio, é só uma opinião diferente! Por isso, "tá-se bem"!
Eu bem sei que é difícil para os japoneses estudar inglês. Ambas as línguas funcionam de formas muito diferentes. Mas quando falo da aprendizagem do inglês, faço-o tendo sempre em mente o futuro deste país no mundo em que vivemos.
É bem verdade que se deve conhecer o nosso próprio país, a sua história, etc... Mas nunca se pode esquecer o que sucede no resto do mundo, até para que se entenda o que se passa em casa. Sinceramente, acho que os japoneses sabem tudo sobre o Japão e muito pouco sobre o resto do mundo. Estudam tudo sobre o Japão, sobre o que é "famoso" em cada prefeitura, as linhas do comboio, decoram cada prefeitura, mas muitas vezes não conhecem o mundo. Nem toda a gente é assim - felizmente - mas encontro muito pouca abertura de espírito. E nem é nos indivíduos em si, mas sim no sistema.
É bem verdade que, se um japonês não conhecer o Japão, será alvo de risada. Mas sabe quantas vezes tenho que chamar a atenção aos meus alunos quando se riem de alguém porque está a tentar comunicar em inglês!? E isso até acontece com adultos. E esta mentalidade tem que mudar, porque o que não se adapta decai e acaba por sucumbir...
Se me disser que o Japão é seguro e que as pessoas são do mais simpático, concordarei. Mas e a diversidade? A abertura ao mundo? Isso não encontro muito. Pelo menos aqui. Nada.
Como escrevi no outro dia, alguem se referiu a mim como gaijin-san. Não fico ofendido pela palavra, que não sou pessoa de me ofender sem mais nem menos. Mas é aquela ideia Japão Vs Resto do Mundo que me repugna! Nao quero com isto insinuar que o Japão deva ser uma nova América ou uma nova Europa. Mas quero com isto dizer que devia abrir mais o seu espírito... Aprender com o mundo.
Seria um prazer poder conhecê-lo pessoalmente! Se algum dia vier para estes lados, não hesite em dizê-lo! Eu quando for até à capital dir-lhe-ei.

7 comentários:

Anónimo disse...

Olááá!! Ainda bem que gostaste e que os bolinhos chegaram inteiros! :)
E ADOREI o teu postalito (recebi ontem!). Ah...e acho que a "Operação Japão" está novamente no bom caminho! eheheh!!
Beijinhos*
Inês

Helena disse...

Olá Ângelo.

Posso-te perguntar se já recebeste os meus postais também?
Só para comprovar se realmente os CTT são assim tão bons como se diz neste belo blog.

bjs

Ana Maria disse...

Ai tomara já o passeio maravilhoso que vamos dar pelo litoral alentejano.
Quanto à encomenda está quase.
recebi o teu postal e soube tão bem.
Aguardo o próximo contigo vestido de gueisha.
da tua
Ana Maria Baião Baronesa do reino de Alverca do Ribatejo e Vila Nova de Milfontes, mais propriamente, Brejos da Zimbreira.

Miguel F. Carvalho disse...

já anotei...

Helena disse...

Olá!
Que bom, fico muito contente por já teres recebido.
Também recebi hoje o teu envelope amarelo. Gostei muito.
Obrigada.
Bjs!

Maria Manuela disse...

Mas o que é que se passa aqui ???

olha lá sempre vais dizer-me quando fazes anos ou também isso já me passou ao lado...

Estou dois dias sem aqui vir e perco logo o fio à meada....

(o outro) Antonio disse...

Ó Ângelo, os japoneses falam mal inglês, mas são o povo da Ásia que, de longe, tem a maior percentagem de falantes de inglês. Isto é meritório! E o inglês é uma língua importante, mas não é a língua universal. Abertura ao mundo não significa falar inglês, nem só falar línguas! E os japoneses, já deve ter-se apercebido disso, são ávidos de conhecimentos, fazem-nos imensas perguntas sobre como é “lá fora” isto e aquilo... todos! São o povo do mundo que mais viaja ao estrangeiro! E os japoneses são orgulhosos, mas têm uma postura humilde! E as empresas japonesas, quando vão “lá para fora” conhecem os mercados e a cultura dos sítios onde se instalam, como as empresas de nenhum outro país o fazem! Ao contrário dos americanos, que pensam que são o centro do mundo e o futuro da humanidade, os japoneses em Roma são romanos! Isto, eles aprenderam no Japão!

Olhe que eu não sou nada anti-americano, mas é com alegria que vejo um país com uma cultura antiquíssima (que é coisa que os americanos não têm, nem sei se já se pode falar de cultura americana...) preservar a sua de modo tão natural e, por isso, profundo. É que, realmente, o Japão concilia essa identidade com democracia política (este país é mais livre que o mundo ocidental!) e uma enorme pujança económica: o Japão é a 2ª Economia mundial, maior do que a China e Alemanha juntos, e com um dos mais altos níveis de vida do mundo e, sem dúvida, o mais igualitário que existe no planeta! E adoram (é amor-ódio) os Estados Unidos (e também a Europa Ocidental) com quem fazem a maioria do seu comércio (biunívoco).

Em Roma ser romano, aculturar (porque ninguém é obrigado a viver aqui) e falar japonês são coisas difíceis para muitos estrangeiros, nomeadamente para os anglófonos. Particularmente para os professores de língua inglesa que são, muitas vezes, demasiado jovens e sem experiência de vida, mas que têm a arrogância de pensar que o seu comportamento é o correcto, estejam onde estiverem. Eles é que têm pouco conhecimento do mundo e da vida, mas estão “cheios” de verdades... Nem todos, é certo, e o Ângelo é português, viajado e “open-minded”, portanto isto não se aplica a si!

O Japão também tem muitos defeitos, eu sei disso! Um deles é o “ijimeru” (as sevícias na escola) de que Kyushu é o campeão nacional! Mesmo assim, a situação na Coreia, em Taiwan e na China é pior! E, na Europa, não sei se é melhor! O problema aqui no Japão é que isto é muitas vezes instigado pelos professores. O Karel van Wolferen, um famoso japonólogo holandês, dizia que é a Escola é onde se aprende a ser japonês. Por isso, muitas vezes não sobra tempo lectivo e é necessário o “juku” (penso que sabe o que é) para preparar para os exames... O que é ser “japonês”: usar a cabeça e os sentidos, mas humildade, preserverança, disciplina e igualdade. Se a maioria dos japoneses fala mal inglês, quem falar bem “sai” da norma! Há muitos anos atrás, quando o Maradona era um génio futebolístico, dizia-se que se o Maradona fosse japonês lhe teriam que dizer: “Maradona tu és muito bom! Para desenvolveres ainda mais as tuas qualidades vai para o estrangeiro! ... e não voltes!”. No Japão não há lugar para génios, nem para mediocres! Todos (!!!) têm que ser igualmente, simplesmente, bons! O “ijimeru” é a forma de a Escola “educar” a não sair excessivamente da norma. Isto é condenável, mas é assim que o tecido económico e social do Japão tem funcionado! E com excelentes resultados, não pode deixar de reconhecer-se!

Uma nota, ainda, sobre o termo “gaijin” 『外人』. Gaijin quer dizer “outsider”. É preferível o termo “gaikokujin” 『外国人』que quer dizer “pessoa de um país de fora”. E esta é a forma polida (há-de reparar que nos documentos oficiais é sempre esta a forma que aparece). Nunca se diga “gaijin”. Com ”gaikokujin” dá-se muito mais ao respeito!

Ângelo, havemos de nos encontrar! E peço desculpa por ter escrito tanto, mas como dizia um Marketeer português, não tive tempo para dizer o mesmo em menos palavras...