segunda-feira, outubro 03, 2005

Living Oita!

Eu e o meu amigo Porco!

Oita nao e uma cidade deslumbrante. E, no Japao, uma cidade rural com cerca de 460.000 habitantes. Na prefeirtura moram quase um milhao de pessoas. Mas ha qualquer coisa aqui que me faz gostar da cidade. Talvez a simpatia extrema das pessoas. Talvez o cheiro que a cidade tem ao final destas tardes de outono. Seja como for, gosto da cidade. E a minha nova casa.
O que quero contar aqui e tao extenso e abrangente que, decerto, me esquecerei de alguma coisa.
Vou comecar pelos semaforos da cidade. Bem no centro da cidade, ha semaforos. Alias, ha semaforos em tudo quanto e lado. O curioso e o som que eles emitem para avisar os transeuntes que podem atravessar a rua: e musica! Uma musica com som de semaforo! E demais!
Depois ha aquelas pessoas, no meio da rua, que estao a dar pacotes de lencos. E um meio de publicitar muito eficaz, diria. Mas normalmente e publicidade a casas de meninas e mais nao sei que. Ainda assim, eficaz. E depois ha aquelas pessoas que estao a pedir para uma qualquer causa e que apregoam a causa e agradecem e fazem venias e apregoam...
E depois ha o porco e o super-homem. Est ultimo vi-o uma vez perto da Parco. La esta ele pertinho de uns semaforos. Nem sei porque. Mas tirei uma foto. O porco. O porco e amigo do seu amigo. Ja o vi varias vezes a publicitar uma agencia de empregos. Como diria alguem, "quem e que vai pedir emprego a uma agencia que tem uma pessoa a trabalhar vestida de porco!?". Nao deixa de ser engracado, porem!
As compras. Ha a ideia de que e carissimo fazer compras no Japao. E pode ser bem verdade. Estes tipos sao loucos por marcas e ate numa cidade como Oita ha uma Louis Vitton e e perfeitamente possivel encontrar Channel, La Coste, DKNY (so para mulheres!) e tudo o que se pode imaginar! Mas tambem ha lojas de roupa em segunda mao (onde comprei a minha nova coqueluche: a t-shirt da Betty Boop) e a hyakuen shop. E a loja dos 100 ienes onde tudo custa 100 ienes mais IVA (na pratica 105). Mas nao tem nada a ver com as nossas lojas dos 300. Ali encontra-se TUDO. TUDO! E mesmo que vamos la so por ir, acabamos sempre por gastar algum dinheiro. Sao 5 andares cheios de coisas. Nao e normal!
Mas o que me espanta aqui e a variedade de coisas e a simpatia das pessoas nas lojas. Aqui nao ha aquelas coisas como em Portugal "So um bocadinho. Estou a falar ao telefone com o meu namorado". O cliente e o cliente e merece tudo. E muitos sitios, assim que entramos, todo o pessoal da loja nos cumprimenta. Amiude vao dizendo coisas bem alto (nao sei o que estao a dizer, mas parecessem agradecimentos e afins) e depois despedem-se todos a saida. Nunca tinha visto nada parecido e sei que vou ter um problema quando regressar!
E toda esta variedade esta bem patente nas pessoas e nos seus estilos. Enquanto os miudos das escolas - excepto os da primaria - tem que andar de fardeta (que vai desde a farda a Colegio Militar ao uniforme de restaurante dos rapazes e do fato a marinheiro aos fatos em xadrez para as raparigas - e soube ontem que o dia 1 de Outubro marca o inicio oficial do outono, pelo que os alunos tem que usar os fatos de inverno. Nem que estejam 30 graus. O que pode acontecer por agora...) ve-se de tudo: as meninas brancas e de fato dos escritorios, os quimonos (raro, mas por vezez ve-se), as velhas que parecem novas e se vestem como tal, os salary men sempre de fato e gravatam, os dreads com rastas e baggy pants, as tipas do lest europeu que parecem aquilo que sao, as velhas todas impecavelmente pintalgadas, os tipos e tipas todos anilhados e com piercings, as raparigas impecavelmente vestidas com tudo da Playboy (e uma tara que tem por estes lados) e cheias de pinturas, as senhoras mais velhas impecavelmente vestidas, penteadas e pintadas, os meninos e meninas dos hip-hops. Ha de tudo, ate aqui. imagino em Tokyo. Parece-me que aqui e tudo extremo. Nao ha pessoas comuns. Ou melhor, ha, mas nos nao olhamos para elas, n7e!?
As luvas. Sim, e verdade que muita gente anda de luvas, mesmo no pino do verao! Normalmente, e pelo que vi, sao mulheres de meia idade que nao podem cometer a idiotice de queimar as maos e os bracos e ate a cara (muitas usam umas palas enormes!) enquanto andam de bicicleta ou conduzem os carros. Para mim, e de loucos! E ha luvas brancas, pretas, as bolinhasm, com folhos, sem folhos, com manga, sem manga... E so escolher, o fregues! E ate ha uma especie de luvas de plastico para por no volante da bicicleta!
Obviamente que ha determinados sitios onde e obrigatorio usar luvas.. Os taxistas usam luvas brancas. Os condutores de autocarros, as meninas dos elevadores na Tokiwa. E ha tambem as sombrinhas. E perfeitamente comum verem-se sombrinhas por estas bandas! Seja uma menina alta ou baixa, uma velha gorda ou magra, uma mulher com cabelo cumprido ou careca! Elas andam ai!
Os taxis aqui sao de diferentes cores, o que, quanto a mim, e bem mais divertido, As portas abrem-se e fecham-se automaticamente e o taxi, la dentro, esta forrado com rendilhados nos assentos. Um verdadeiro atentado ao bom gosto. Mas, pelo que ja percebi, os carros de gente importante ou com muito dinheiro tem estes rendilhados!
Os autocarros tem os destinos escritos unicamente em japones, o que pode ser um problema. Felizmente tem numeros, o que ajuda bastante (embora sejam precedidos por つ (tsu) ainda nao percebi porque!). Entra-se pela porta de tras e, ou se passa o bilhete pre-comprado, ou se retira um bilhete minusculo, claro esta. A saida e feita pela frente, depois de se pagar ou de se passar o tal pre-comprado.
As meninas dos elevadores sao a coisa mai' linda. Sao raparigas novas, impecavelmente vestidas, penteadas e pintadas e sao ascensoristas, nada mais. Fazem uns movinmentos aquando do abrir e do fechar das portas que ainda nao percebi para que servem! As recepcionistas de algumas destas lojas (que ocupam 6, 7, 8 andares - Tokiwa, Parco, Forus - estao tambem sempre lindas. Da mesmo vontade de tirar uma fotografia).
Ha uma coisa que me irrita solenemente aqui! Em determinados sitios, para se atravessar a rua, e preciso subir-se umas escadas, ou descer-se, e atravessar-se uma ponte, ou uma passagem subterranea. Ate aqui tudo bem! Mas se tivermos uma bicicleta ja podemos atravessar a rua. Nao percebo porque, nunca perceberei e irrita-me! Por isso, ando sempre de bicicleta ou, entao, atravesso mesmo onde nao devo!
Miyakomachi e o bairro da luz vermelha ca do sitio. Esta cheio de bares, restaurantes, karaikes, meninas e o Jungle Park. E o sitio onde todos vamos quando saimos a noite, normalmente para o PEI, onde se encontram todos os gaijin (estrangeiros). O dave, o dono, vem da Prince Edward Island no canada. Um bar agradabilissimo com uns batidos de chocolate maravilhosos (ainda nao comecei a beber alcool, Carlo!).
Neste bairro e perfeitamente comum ver-se meninas a porta dos bares, com roupas bem estridentes, mas nao necessariamente de mricro saia e afins. Ou entao homens que funcionam como angariadores de clientes. Outro sitio a visitar!
A cultura do karaoke nasceu aqui, no Japao. Os karaokes sao muito comuns aqui e normalmente paga-se um x por um y de horas e bebe-se tudo quanto se puder (Mary, acalma-te!). Proporcionam momentos hilariantes. Eu ate ja prometi que, no proximo karaokem vou cantar "Like a Virgin" - coisa que tenho cantado sempre - e rolar no chao. E visto-me de noiva se alguem arranjar a fatiota!
Por aqui, e muito comum haver festas no karaoke que, depois, se multiplicam por segundas e terceiras festas. Nestas ultimas ja esta tudo muito bebado, pelo que tenho ouvido coisas muito estranhas. Seja como for, nos mesmos ja estivemos num karaoke com o pessoal - ou algum dele - la do escritorio. Alguns foram verdadeiras revelacoes!
Eu moro em Sekiden-cho. Um bairro que fica a 5 minutos de bicicleta do centro. Alias, a minha bicicleta ganhou a alcunha de Big Blue Willie (a grande pilinha azul), porque e a unica bicicleta azul bebe do programa JET ca do sitio. Eu so poderia escolher uma bicicleta assim! E e bom, porque a vejo de bem longe. Mas ja me deixou mal, quando a camara de ar do pneu traseiro rebentou comigo na bicicleta. Mas la sobrevivi. Pior ainda foi quando perdi as chaves da fechadura da bicla! Tive que andar a pe na manha seguinte! mas ja as encontrei, depois de ir ido a loja tirar a fechadura e comprar uma corrente. Estava num dos meus estojos que levo comigo para as escolas! Como diria o/a outro/a "Que maccccada"!
Moro num edificio de 4 andares. Mas o quarto andar e o quinto andar, porque o numero 4 e associado a morte no Japao. Acho que e a mesma palavra. A minha rua nao tem nome, como quase todas no Japao. Por isso a minha morada e assim:
Room 306. "3" para o andar e "06"para o numero do apartamento;.
"Yukishige Building", porque a minha senhoria, que mora numa casa ao lado do predio, se chama Yukishige (nao e finissimo!?);
3-2-32 sao os numeros quem de alguma forma, indicam o quarteirao, rua e o predio onde moro;
Sekiden-cho e o bairro;
Oita City ou Oita-Shi e a cidade;
870-0048 Oita ou Oita-ken e o codigo postal e a prefeirtura.
E no meu predio moram mais 3 JETs. A Danny (Dannielle), 24 anos, vem de Auckland na NovaZelandia. Estudou arte e e uma das minhas melhores amigas aqui. Doida por surf... Bem, ninguem e perfeito! O Ronnan e de Sligo, Irlanda. Tem 28 anos, percebe de computadores, fala japones e a namorada Heather vem morar com ele ja em Dezembro. Mora mesmo ao meu lado. E deixa-me lavar a minha roupa na maquina dele (caso contrario teria que ir ate a lavandaria que nem e muito longe!). Ao fundo do corredor do meu andar, mora o Peter. Tem 26 anos e e de Montreal, Canada. A familia e da Ucrania, dai o seu apelido Mytko.
Mas tenho muitos outros amigos. A Sonya, de Calgary, Canada (o namorado Thomas ja ca esta com ela); a Chew Choo Loh - Chewy - de Singapura; a Shauna da Jamaica; a Sue Jean de Singapura; a Tomiko da Ilha de Vancouver (e o namorado Mike); o Adrian de London, Reino Unido (que se vai embora ja em Dezembro, depois de uns problemazinhos no seu primeiro ano de JET); a Tamara, tambem do Reino Unido, creio que de Glasgow; o Stephen algures dos EUA, provavelmente de San Francisco; a Bekky da area de Brisbane, Australia; a Carolina que nasceu em Franca, morou em Macau, mora em paris, tem familia em Portugal e os pais sao chineses e fala mandarim, japones, frances, ingles e portugues; a Cynthia, uma negra LINDA de Los Angeles; o Jared e a sua Steff, algures dosa EUA; O John que vem de Dublin; a minha Mary (nao es tu Makaki: tu es unica!) que e uma bacana de Luton, em london; a Rhea de Detroit, uma menina muito simpatica com quem troquei e-mails ainda antes de vir. Obviamente que vou conhecendo mais e mais gente incluindo os nativos.
Quanto aos vizinhos - perdoa-me Ze Kali - nao os conheco muito bem. Cumprimento-os delicadamente, nao dou por eles quando estou em casa, porque nao se ouvem e e isso. mas ja tive a oportunidade de ofertar uns livrinhos sobre Portugal a uma das vizinhas.
Agora tenho que abordar um tema deveras desagradavel: as sanitas. Pois bem, a sanita japonesa e um buraco no chao. Com loica, mas um buraco no chao! Estranho num pais onde, em certos sitios, ha sanitas com tampos aquecidos e autoclismos automaticos. Quem ca vier bem se pode ir preparando para a bela posicao de coqueras. Mas nao se preocupem que ca em casa e a bela da sanita ocidental!
E ha outro assunto muto triste. O lixo. Nao ha nada melhor para todos nos do que reciclar, separar, bla, bla, bla... Mas nao recolherem o lixo todos os dias!? Terem dias especificos para o lixo, mesmo para aquele que apodrece e ganha bichedo e tudo!? Faz-me muita confusao!
Pertinho do sitio onde moro, ha um Don Quijote. E uma loja garnde - 2 andares - cheia de TUDo o que se possa imaginar, normalmente mais barata e com coisas completamente inuteis. E ao lado dela ha um Mo's Burger. E uma cadeia japonesa que vende hamburgers deliciosos. O meu favorito tem o pao, "a hamburga", alface e um molho quase-doce (nao diria agri-doce). Mas tambem ha hambugers com arroz e legumes e as batatas fritas sao, pura e simplesmente, divinais!
Junto as saidas das garagens dos edificios e de algumas lojas e supermercados, ha sempre um guarda que controla a saida e a entrada das viatiras, da indicacoes para avancarem ou pararem. Uma cena dos anos 5O, nao fora os catetes e os coletes iluminados com luzes vermelhas que piscam!
Ah, a ida ao supermercado. A primeira vez que la fui, ja depois de ter o meu frigorifico, foi com a Danny. Ela estudou japonesm mas ja se esqueceu de muito, por isso partimos a aventura! Nao so havia fruta e legumes que nem conheciamos como os produtos tinham as etiquetas em japones (porque sera!?). Como diferenciar o acucar do sal? Ou o leite de qualquer outro produto em tetra pak? Bem, la nos safamos com a ajuda de umas senhoras. Gastei mais de 6000 ienes.
Hoje em dia, a minha paixao sao as peras nashi. Sao grandes, sabem a pera - DUH - mas creio que tem um travozinho a citrino. Foi a nossa okasa em Fukuoka que as apresentou.
E os noddles! Como nao sei cozinhar, nem tao pouco o gosto de fazer, desencantei umas embalagens de noodles secos aos quais so e preciso juntar agua a ferver, um molho e pos e mais nada! Uma maravilha! Tambem ha o sushi prontinho a comer, mas a ideia nao me atrai nada. E os bento, que sao umas caixas com arroz e comida la dentro. Para mim, comida japonesa e tempura de camarao, gyudon e rammen! O primeiro e camarao envolvido em farinha e frito ligeiramente. Divinal. O segundo e um prato de carne de vaca fininha com um molho todo xpto, acompanhado de arroz e couve crua fatiada muito fininha. Optimo. E rammen que e a massa ca do sitio. Nao sou tao entusiasta como em relacao aos outros, mas e muito bom!
E o arroz!? Eu pensava que nao ia gostar do arroz do Japao. O bago e pequenom a coisa e pegajosa - pareco o Sousa Veloso - e e cozinhado em vapor e sem sal. Nao podia estar mais enganado. E o acompanhamento perfeito para a comida japonesa. Sou fanserrimo. Infelzimente, e como nao tenho um rice cooker (um aparelho proprio para cozinhar o arroz devidamente) em casa, so o provo nos restaurantes e nas refeicoes das escolas.
Antes das refeicoes devera sempre agradecer-se pela comida, Nao e bem um agradecimento a deus ou aos deuses, mas um acto que ja esta inculcado na cultura japonesa. Diz-se "itadaikimasu" e no fim agradece-se pela refeicao que se teve, com uma expressao que me esqueco sempre!
Ha pouco falei da moda e esqueci-me completamente dos penteados. Digamos que, no outro dia, fui cortar o cabelo. Tive receio, porque nao saberia explicar o que queria (Deus Nosso Senhor abencoe as revistas de penteados) e teria um penteado a japones: ora cortado de um aldo e longo do outro, ora espetaderrimo, ora muito curto, ora desoclorado, ora pegado a cabeca... Fosse o que fosse, assustava-me, mas la me safei. A Shauna, que foi comigo, titrou fotografias, mas ainda nas mas enviou! Quando me massajaram a cabaca, ia tendo um orgasmo!
Uma coisa curiosa que me chamou a atencao foi a ausencia de uma palavra depois de algum espirrar. Em portugues, diz-se "santinho", em ingles "Bless you", em sueco "prussite". Aqui, e o silencio. Sao estas pequenas coisas que vou descobrindo que me enchem de alento.
Ha uns tempos, dei uma aula de ingles para professores da primaria. Foi das coisas mais interessantes que fiz ate hoje e conheci um grupo muito simpatico de pessoas! E falei-lhes das diferencas e semelhancas entre Portugal e o Japao. As diferencas sao obvias, mas tambem ha semelhancas, e uma delas e a BUROCRACIA! As reparticoes publicas tem secretarias cheias de papeis, ha carimbos e impressos com tudo e mais alguma coisa em tudo quanto e lado! Por exemplo, quando fui tratar do meu cartao que me permite residir no Japao por mais de 90 dias, preenchi papelotes, esperei, vi se estava tudo bem. Uma semana e tal depois, la estava o cartao a minha espera. Mas para conseguir o visa de multiplas entradas no Japao, para poder entrar e sair do pais sempre que me apetecer, tive que ir ate ao edificio onde esta a reparticao encarregue destes assuntos.Palelote para aqui, papelote para ali e toca de ir comprar um selo a outra reparticao ali mesmo ao pe! Onde e que ja vi isto!?
Mas ha mais, para conseguir o meu keitai (telemovel)la tive que preencher isto e aquilo e para ter internet em casa foi o caos: fui a loja da Yahoo BB onde solicitei o servico. dai a uns dias, tinha uma caixa com o modem no correio. Ate aqui, tudo bem. Mas no dia em que iam a minha casa para ligar a internet, verificando se a tomada do telefone estava boa ou nao - coisa para 5 minutos - veio o tufao. Dia 6 de Setembro. La tive que ligar para o numero tal e marcar a outra data... 21 de Setembro! Pedi ao Adrian, que agora anda quase desocupado, que ficasse em minha casa por quase duas horas, nao fossem os senhores da internet aparecer. Quando ia a caminho de casa, ligaram-me, mas como era em japones, obviamente que nao percebi puto! La consegui comunicar com eles atraves do meu supervisor e eles so poderiam la ir no dia seguinte! Depois de ter perdido as chaves da minha bicicleta no dia anterior, so me faltava nao ter internet! Tive que comer e calar. Mas la me foram por o raio da internet no dia 22! Ja me estava a passar. A internet e uma necessidade basica, como respirar ou ter esgotos. Agora ja posso ouvir a minha Mega FM!
Fumar e permitido em quase todo o lado. Sem problemas. Para mim, nao e nada muito bom, mas tenho a certeza que a Sonia e o Carlo ja estao a pensar vir ate ca!
Nos restaurantes e cafes dao-nos sempre uma toalha ou um toalhete para limparmos as mais antes das refeicoes. E a loucura pela higiene. Pelo menos aparentemente.
Ia-me esquecendo de falar dos festivais de Tanabata e de Usuki. O primeiro aconteceu em Oita, logo no meu primeiro fim de semana aqui. Estava exausto, mas foi bonito ver aquelas centenas de pessoas a desfilar ao som da mesma musica, faznedo a mesma coreografia. Por horas. E aquela especie de carros alegoricos eram bem coloridos.
Ha uns tempos, houve um festival em Usuki. Fica a uma hora de distancia e tem uns budas esculpidos na rocha das montanhas. Foi isso que fomos ver. Muito interessante. Mas foi mais interessante porque tudo estava rodeado de velas e tochas. E havia musicas e dancas japonesas e tambores japoneses. Foi mesmo lindo!
Mesmo amando Oita e o Japao, tenho saudades. Tenho saudades do bacalhau assado com alho e azeite la de casa, do arroz doce da minha tia e da tia Margarida, do cheiro do meu cao, do bolo de chocolate da minha Candocha, E so refiro isto que e para nao sofrer mais!
Ja estou cansado de tanto escrever sobre Oita e sobre o Japao e sobre mim e sobre tudo. Mais perguntas sobre Oita e so perguntar!




1 comentário:

Anónimo disse...

Glad I stopped by. You have a nice blog (something I have yet to get started).

Kind Regards

Jamie