terça-feira, novembro 07, 2006

Ainda os Kims...

A caminho do Sungnyemun

Depois de visitarmos o tal rio e a zona envolvente, continuamos a descer a Baixa da cidade e acabamos no Sungnyemun, outrora a porta mais importante da cidade de Seoul. Pelo caminho, ainda vimos a Camara Municipal (nao muito interessante) e mais guardas num palacio!

E aqui fica a dita porta! Coisa "piquena", nao e?


Nos ceus de Seoul

Mesmo ao lado do Sungnyemun fica o mercado de Namdaemun. Claro que a minha mae ficaria louca de contentamento com a dita feira, mas nao comprei muita coisa... Nada me chamou a atencao assim tao fortemente. E eu e o Peter la mergulhamos na populaca!
Ah... A segunda fotografia e de uma banca de papel de embrulho! Extraordinario, nao e?!

E depois do mercado qual e o destino esperado!? A torre da cidade! No caso de Seoul e a N Seoul Tower, que nos leva a mais de 300 metros acima da cidade! E ate da para ver, mais uma vez, a distancia a que ficam algumas cidades!
Para la se chegar, podemor ir na carreira ou subir umas quantas escadas e apanhar o teleferico... Nunca andei tanto de teleferico na minha vida como desde que estou no Japao!


Visita a Coreia do Norte

"Visita" como quem diz... Para se ir ate a fronteira da Coreia do Sul com a Coreia do Norte so ha uma maneira: um tour (os sul-coreanos tem que pedir uma autorizacao especial e todo o seu historial e revisto pelo governo antes de ser dada autorizacao. Ou nao). E eu e o Peter por pouco que nao iamos porque nao tinhamos maracado antecipadamente (nao por nossa culpa, entenda-se, mas porque a tipa do sitio onde ficamos disse que nao era preciso). Mas com uns telefonemas a coisa resolveu-se e no Sabado la fomos nos! Estavamos loucos! Afinal, iamos a Coreia do Norte!
Fomos ate ao ponto de partida do tour, bem no centro da cidade, pagamos a viagem e metemo-nos no autocarro de partida para Pammunjom. Ainda antes de chegarmos ao restaurante onde iamos almocar, comecamos a ouvir coisas fantasticas! Sobretudo pequenas coisas que nos rodeiam e que, na verdade, so existem por causa da ameaca iminente de invasao pelo norte!
Nas estradas vem-se uma especie de pequenos tuneis (quase como que a cobertura de uma portagem) sobre a dita estrada feitos em cimento. E porque e que eles la estao? Nao, nao e para nos resguardar da chuva nem para tornar a cidade mais feia! Sao "paredes anti-tanque". Em caso de invasao, o exercito sul-coreano fa-las explodir, impedindo a estrada e, assim, atrasando o avanco das tropas norte-coreanas por terra.
Toda a margem do rio Han esta resguardada com rede, arame farpado e guaritas... Nunca se sabe...
E qual das margens do rio e mais cara? A sul (mais longe do centro de Seoul) ou a norte (onde esta Seoul e o centro financeiro e tudo mais)? E a resposta e A SUL! Porque? Pela simples razao de que se houver um ataque vindo do norte, a margem sul sera atingida mais tarde! E, nesta terra, paga-se pelo privilegio de se estar vivo mais tempo em caso de ataque. Ou, se calhar, e so especulacao imobiliaria!

A nossa primeira paragem foi junto a uma ponte ferroviaria que, em tempos idos, seguia para norte. Ha planos para a reconstrucao da ligacao e algumas obras ja foram feitas (nomeadamente a ponte que se ve), mas os testes com misseis e bombas nucleares vieram alterar os planos!
Na verdade, ha pessoas a morar mesmo junto a fronteira! E o comboio que se ve vinha de uma dessas terreolas.
E, alem disto, ha uma fabrica sul-coreana ja do outro lado da fronteira. E uma ajuda para a economia do norte e uma benesse para o sul, porque a mao de obra e bem mais barata!
As bandeiras e tudo mais estao ali para demonstrar o desejo de reconciliacao e mais nao sei que...

Dali seguimos para a JSA (Joint Security Area, qualquer coisa como "Zona de Seguranca Conjunta"). E ai e que sao elas. Depois de nos verem os passaportes duas vezes, de pararmos e avancarmos outras tantas vezes, la chegamos. A JSA e a unica zona onde as tropas dos dois paises estao frente a frente. E a zona e mantida por uma forca das Nacoes Unidas.
Tivemos um briefing sobre a historia do sitio e o nosso guia estava constantemente a relembrar-nos das regras. Aqui ficam elas:
- Nao se pode apontar dentro da JSA e sobretudo em frente aos soldados norte-coreanos. Este movimento pode ser interpretado como o sacar de uma arma podendo dar inicio a um problema serio;
- Mesmo que o pessoal do outro lado acene, nao podemos responder, porque a comunicacao entre as duas partes e estritamente proibida;
- Nao se podem usar calcas de ganga rasgadas ou com mau aspecto, porque os soldados norte-coreanos tiram fotografias e usam-nas como propaganda dizendo "eles la, do outro lado, sao tao pobres que andam assim vestidos, todos rotos!";
- So se podem tirar fotografias em determinados locais (eu, coitadinho, fui chamado a atencao porque ia tirar uma fotografia onde nao devia... embora estivesse a casos centimetros do local onde podia).


Depois do briefing e da revisao da materia dada, fomos ate ao sitio exacto onde as duas Coreias se encontram: o edificio (bem mais pequeno do que imaginara) onde se fazem as conversacoes quando necessarias.
E la esta a famosa mesa dividida exactamente ao meio e dois soldados sul-coreanos. Bem sei que parecem bonecos, mas nao sao. Sao dois elementos da policia militar e sao, como todos os outros, escolhidos a dedo: tem que ser altos, estar em perfeita forma fisica e tem que ter cinturao negro no daikondo. Ora toma la! E os oculos escuros fazem parte do uniforme. Assim, ninguem sabe para onde estao a olhar (os ditos oculos sao mesmo escuros) e da-lhes um ar bem mais intimidador.
Ninguem lhes pode tocar e nao podemos passar para alem do soldado com que estou a posar. A porta atras dele leva-me a Coreia do Norte. Alias, ele esta no lado norte. Isto quer dizer que tirei uma fotografia na Coreia do Norte!


Nao se fica muito tempo dentro da sala... Mas que e um sitio estranho, la isso e! E os soldados nao se mexem!

Eu reparei que nao havia soldados norte-coreanos nenhuns. Estariam de fim de semana? Teriam morrido todos a fome (esta foi ma)? Perguntei ao guia onde e que eles estavam e ele disse-me para esperar um segundo. Eles estao sempre ali! E quando mudamos de lugar, para uma torre mesmo ali ao lado, la estava um soldado no topo da escadaria do edificio norte-coreano e dois outros com binoculos a mirarem-nos, numa outra torre! Muito esquisito!
E como mera nota informativa, o edificio do lado norte foi construido originalmente com dois pisos... Mas depois, os meninos norte-coreanos resolveram adicionar-lhe mais um, so porque os sul-coreanos construiram um novo edificio e o deles tinha que continuar a ser mais alto. Um caso tipico do "a minha e maior que a tua".


Depois deste sitio muito peculiar, fomos ate uma outra paragem, onde pudemos ver a bandeira mais alta do mundo (so porque os sul-coreanos tambem tem uma...) e vislumbrar a aldeia a sua volta. Na verdade, e uma aldeia fantasma, pura propaganda, porque nao ha ninguem a morar la. So umas quantas pessoas que mantem o sitio.
E mesmo a bandeira tem que se lhe diga! E tao grande que, quando chove, tem que se retirada, senao a torre pode entrar em colapso, tal o peso da coisa!
E pelo meio daqueles bosques, passa a fronteira e podem ver-se torres de vigia norte-coreanas!
Muito estranho!


De regresso ao autacrro, fizemos o resto sempre em movimento. Passamos pelo local onde houve um incidente nos anos 60, se nao estou em erro, tudo por causa de uma arvore (nao sei bem os detalhes) e pela ponte sem regresso, onde chegou a haver trocas de prisioneiros.
Ainda hoje, quando um dissidente norte-coreano chega ao sul, e-lhe sempre perguntado se prefere ficar ou regressar... Tudo porque se o governo do norte sabe que uma dada pessoa fugiu para o sul, havera certamente problemas para a familia do fugitivo...

De regresso ao Campo Bonifas (assim se chama o campo militar da JSA, em memoria de um capitao morto no incidente da arvore), ve-se um aldeia mesmo junto a fronteira. Tem umas 200 pessoas e esta sob administracao das Nacoes Unidas, logo insenta de impostos e tem que se fazer um pedido ao governo para se morar la. E quando os agricultores vao aos campos de arroz, ha sempre um ou mais soldados a guarda-los.
E depois fizemos umas comprinhas na loja de souvenirs.

E assim foi o nosso passeio a Coreia do Norte...

Mas e obvio que muitas das coisas que nos sao ditas e alguns dos procedimentos que se seguem sao fruto de propaganda do sul. Seja como for, e um sitio que se visita sempre com uma impressaozinha do estomago. Afinal, e tecnicamente, esta gente esta em guerra!

A noite de Sabado

Depois de termos vindo da terra do Querido Lider (onde - e ate nos rimos a pala disso - o sol estava a brilhar... de certeza porque o Querido Lider Kim Jong Il tem o poder de fazer o sol brilhar!) fomos jantar a um restaurante onde grelhamos a nossa propria carninha. O menu estava todo em coreano e nao tivemos muita sorte com o que escolhemos completamente ao calhas! Ainda guardo na memoria o restaurante a que fomos com a Paula da embaixada em Tokyo!


E depois deixamo-nos levar pelas ruas de Seoul... Passamos por uma senhora a vender umas coisas muito estranhas e por pessoas a comprarem essas coisas muito estranhas. Mas estranho foi o seguinte episodio:
Estavamos a andar por uma rua e uma menina abordou-me, agarrando o meu braco. E so me disse "poki poki"... Eu nao percebi, mas ela estava a chegar-se mais perto de mim... Eu la percebi o que ela queria e disse "no, no"! E ela passou ao ataque ao Peter dizendo "sex... short time"! O Peter obviamente recusou! E nos so nos riamos com a situacao! Mas a bem dizer, esta foi a primeira fez que fui abordado por uma menina para tal pratica! Demais!


O ultimo dia e a segunda feira

No Domingo, o Peter foi ate uma das montanhas que cercam a cidade! Eu fui com ele, mas depois voltei para tras. Ele ia subir a coisa e eu estava tao cansado que decidi que seria melhor ir as compras... E assim la me meti a caminho de mais um mercado! E la, estava um menino com um sinal a dizer "hugs", ou seja, "abracos". Nao percebi bem o que era aquilo, mas bem que o vi a abracar quem dele se aproximava! E vim a descobrir que faz parte de uma organizaco de voluntarios que pura e simplesmente oferece abracos a quem passa. No Japao, bem que podiam esperar que alguem se aproximasse deles!
E depois destas compras, voltei a encontrar-me com o Peter e fomos ate uma loja de produtos electronicos. 8 andares cheiinhos de coisas. So pensava no meu pai que, tenho a certeza, estaria no ceu se entrasse em tal sitio. E nem e a maior loja do tipo!
Na segunda-feira era dia de regressarmos ao mundo real que e o Japao! Mas de manha ainda tivemos tempo para fazermos coisas. O Peter foi ver o estadio olimpico. Na verdade, queria ir com ele, mas tinha que ir a embaixada portuguesa em Seoul ver uma cena do meu passaporte. Estava a chover, mas eu la fui... E continuei a ir e a ir... Mas, pelo vistos, a embaixada mudou de lugar e o mapa que tinha ainda nao tinha sido actualizado! Enfim... Nada melhor que uma molha numa manha em Seoul.


Cultura

No meio das compras e tudo mais, ainda me deparei com uma demonstracao cultural! Os tambores e uma danca tipica... Muito interessante! Ate porque eu tenho uma paixao pelos tambores!


E este robot, que, por acaso, estava a "dormir", esta ao servico no aeroporto de Seoul! A fotografia foi tirada pela Kelly! Eu sabia que ela estava em Seoul, mas jamais esperei encontra-la no meio de 10 milhoes de pessoas. Voamos os tres juntos para Fukuoka! Nunca apanhei um voo com tanta turbulencia! CREDO!


Porra! Estou cansado de tanto escrever e de tanta fotografia!

2 comentários:

Mari disse...

bem kiko so tenho uma coisa a perguntar: porque no meio de tanta foto nao ha uma da menina que te abordou na rua a dizer "poki poki"??? tambem e cultural, nao percebo....LOLOLOL

muito louco!

beijos mil

Mari

João Carvalho disse...

Não estarias tão cansado se ficasses mais tempo em casa a descansar, eheheheheh!

Percebi finalmente k as tuas ausências mais prolongadas no blog coincidem sempre com 1 vadiagem...

Da Costa De Carvalho dixit